Os Deseducados   
       


  Olá a todos! Antes de mais, queria pedir imensas desculpas por não ter andado a escrever ultimamente, mas tenho tido outros entreténs (sobretudo o entretém ESCOLA) que me têm ocupado algum tempo e não me tenho sentido inspirado para escrever. 
  Hoje, no entanto, decidi que seria benéfico gastar algum tempo aqui, no meu blog, nem que seja só para mim, e venho falar de um assunto importante. Para mim, muito importante e de tal maneira importante que considero que todas as pessoas têm de o perceber de forma correta: A educação e os professores. 
 Sei que, para algumas pessoas, este assunto é chato, nem se deveria falar. Para muitos jovens, aliás, nem deveria haver escola, as pessoas nunca deveriam ser educadas. Discordo plenamente dessas ideias e por isso é que achei que era uma boa ideia vir aqui escrever. 
  Em primeiro lugar, sim a educação e a escola são importantes. Antes de mais nada, se não houvesse escola, seríamos um completo bando de pessoas com mentes fechadíssimas e a maioria de nós não conheceria (nem iria querer conhecer) realidades distintas daquelas que nos rodeiam, não iríamos pensar em aspetos que, hoje em dia, conhecemos graças à educação. Aliás, nem sequer saberíamos ser coerentes ao falar, tudo o que disséssemos seria extremamente redutor, até porque as nossas mentes seriam redutoras. Já pensaram que, caso não houvesse educação, nunca poderíamos pensar no valor da existência humana? Já pensaram que só com grandes dificuldades é que pensaríamos em soluções para graves problemas sociais? Já pensaram que nunca conheceríamos tantas ideias, projetos, inovações e, provavelmente, raramente utilizaríamos o nosso espírito criativo? Enfim, estaríamos a negar a grandeza que temos dentro de nós. No fundo, ela só se revelaria em ocasiões muito espontâneas e, através da educação, não só aprendemos, como também vemos que conseguimos ir muito longe. No entanto, e infelizmente, vejo que a maioria dos jovens/crianças detesta a escola. Considera-a inútil, acha que não vale nada aprender, acha que é melhor ficar em casa, a usar o computador, pois, nesse caso, conseguiríamos aprender aquilo que queríamos de acordo com as nossas vontades, mas as coisas não são bem assim ...
  Este ódio que começa a existir em relação à educação provém do mundo em que vivemos e dos valores que a sociedade nos transmite. A sociedade é extremamente utilitarista, só se quer saber de dinheiro e dinheiro e se o conhecimento em X área gera lucros ou não. Assim, facilmente se entende que disciplinas como a Literatura e a Filosofia sejam relegadas para segundo plano... Ora então se isso apenas fala de teorias, ideias, se apenas aborda uns ''problemazitos'' por que razão as pessoas se devem aventurar a ter conhecimento nessas áreas? Interessa é dinheiro, lucro, mais dinheiro e mais lucro. Para além disso, as comunicações mudaram e continuam a mudar. Atualmente, é possível utilizar cada vez mais a internet, que nos faz chegar imagens, vídeos, ideias, teorias, redes sociais que, no fundo, não são assim tão importantes. Mostra-nos que tudo está à distância de um click, podemos tornar-nos famosos, inventar produtos de génio, jogar, arranjar entreténs rápidos, fáceis e excitantes. Tendo isso em conta, naturalmente vemos que a ideia é: ''Então, mas para que é que servem estas matérias? Para que é que eu hei de saber Matemática ou Inglês se tenho o poder nas mãos ao ligar os meus aparelhos eletrónicos? ''. É preferível ficar na cama todo o dia, a comer, sem ver o mundo, sem aprender maneiras de resistir aos obstáculos da sociedade, sem nos informarmos...Mas não pode ser assim. Temos de trabalhar, ir à luta, formar-nos, mostrar a nós mesmos que somos capazes.
  E, agora, vou ao segundo ponto: os professores. Sou um daqueles jovens doidos, completamente passados da cabeça, que acham que ser professor é, deixem-me confessar sem pudores, fantástico! Sempre foi a profissão que mais me cativou e continua a ser! Sim, os professores trabalham muito, têm de fazer testes, preparar aulas, tentar motivar os alunos, tratar de burocracias, mas partilhar conhecimento, sentir que as pessoas perceberam, pelo menos, um pouco da nossa mensagem vale muito. Formar jovens, sentir que eles podem ser pessoas melhores à nossa custa é algo que, para mim, não tem medida possível. Imagino-me, muitas vezes, a falar também para uma turma e, naturalmente, valorizo muito o papel dos meus professores. Aliás, independentemente de serem bons ou maus, considero que todos eles têm uma centelha heroica! Não é qualquer um que se apresenta perante um grupo de alunos e expõe as suas ideias, sabendo que o estão a avaliar, a julgar, sabendo que tem um papel importante no processo de adquirir conhecimento. E, apesar do papel importante que têm, apesar de serem eles quem forma bons engenheiros, bons médicos, bons secretários, bons construtores civis, bons professores, bons músicos e bons atletas, são tratados muito mal. Não só por nós, alunos, que, muitas vezes, não temos noção dos limites e acabamos por perturbar os professores e chateá-los quando isso nem deveria acontecer, mas, sobretudo, pelo sistema governativo. Os professores são, agora, responsáveis não só por dar aulas, prepará-las e tentar ajudar a escola, como também por papeladas infindáveis. São relatórios, atas, avaliações disto e daquilo, requerimentos, e-mails que chegam às mãos de professores e, como se não bastasse isso, ainda decidem despedir imensos professores para que aqueles que ainda estão a trabalhar tenham o dobro do trabalho! E falta referir outra coisa: ainda os envergonham na praça pública ao aplicar provas de avaliação que são uma CHOCHADA. Os professores já fizeram os exames necessários para estar a trabalhar, já foram avaliados durante uma grande parte da sua vida e, agora, ainda os mandam fazer exames que nem sequer justos são! Sim, porque perguntas de Matemática de 12º ano aparecem lá quando certos professores não têm qualquer especialização nesta área. 
  Sim, a educação é muito importante! E ela deve existir por si mesma. Deve existir para ensinar os alunos, para os fazer e para lhes mostrar que é crucial adquirir competências para a vida em sociedade (daí termos aulas em ESCOLAS).  Ela tem de existir, assim como os professores, que nos orientam, nos ajudam, nos fazem evoluir, nos levantam quando estamos mal, que são os nossos segundos pais e que não estão atolados em trabalho, sem tempo para ser, de facto, professores. Os alunos têm de se aperceber da importância da escola, o que não quer dizer que tenhamos de gostar de todas as disciplinas, significa, apenas, que temos de tentar retirar uma mensagem para nós mesmos e não passar a vida metidos nos computadores, sem fazer nada. Os professores têm de repousar, descansar, ir buscar forças para motivar os alunos, para lhes mostrar que eles são bons e que podem fazer um pouquinho pelo mundo! Claro que isto só acontece se TODOS abrirmos os olhos e virmos que é importante ajudar os professores que, por sua vez, ajudarão os alunos e se todos tentarmos que haja uma educação de qualidade e que promova os valores necessários à manutenção de uma sociedade sã. 


P.S: Desculpem-me pela seca, sei que imensa gente que não quer saber disto, mas eu tenho o poder de divulgar as minhas ideias e teorias e, enquanto puder, faço-o!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Short story

Petit poème en prose

2017