Intermitências do Eu

Café la Nuit 
Van Gogh


  Entro no café. São 22:33, mas isso eu não poderia dizer. Não uso relógios. Deixo o tempo correr; se alguém o quiser tornar mais preciso, que o torne.
  Entro no café. São 22:33. Sinto-me pronto a mergulhar, mais uma vez, numa bela chávena de café. Afogar-me-ei nessa bebida afrodisíaca que ora me eleva ora me mata. Sinto o meu corpo a mover-se e a entrar na sala. Um corpo esguio, alto, revestido de peças pretas.
  Lá dentro, a luz que vibra e que torna tudo berrante e sensitivo contrasta com a minha roupa preta. Sinto-me um estrangeiro na Índia das cores ou no Brasil dos sabores. Estou apenas num café.
  Ninguém me vê neste local. Neste canto que não foi retratado. Sento-me e penso na energia das cores, porventura mais belas - porque mais contrastivas -, do que as do dia. O verde do teto fere-me a alma, ao passo que o vermelho berrante da parede me deixa em êxtase.
  As pessoas agrupam-se. São poucas, mas estão quase todas acompanhadas. Uma mesa com 2 pessoas ali ao fundo, outra mesa com 2 pessoas mais perto de mim et voilà uma mesa com alguém sozinho. Também eu estou sozinho…
  Ainda não me vieram perguntar o que quero beber. Será que ainda desejo uma chávena dessa bebida forte, saborosa, digna de paixão? Talvez. Não sei. Nunca soube dar grandes respostas, mas é possível que beba um café.
  De súbito, penso: Quem é este corpo? É meu? Será meu? Meu a sério? Não sei. Sei que há algo de forte, de essencial dentro de mim. O que será? Creio que sou eu. Eu contra os outros todos; o eu no seu núcleo puro e duro. Sou eu que aqui estou. O meu corpo não passa de um suporte, de um tecido orgânico que cobre o que me for de essencial.
  Verdadeiramente sou-me! Sou-me no meio da luz. Perco-me na chávena de café que, entretanto, chegou. Leio-me no meio da multidão, que aqui não está.
  Alguém se levantou. A luz amarela tolda-lhe as feições. Parece quase inumano. Quem se vai embora? Quem é o dono e o comandante daquele corpo? Daquela alma?
  Temo não saber responder. Temo ainda que não saiba responder a essas questões sobre mim. Não sei ao certo o que sou, mas sei que me sou. Sei que há luzes no café, que essas luzes me afagam, que me sufocam e me acariciam. Sei que estou aqui, como se aqui pudesse estar qualquer outro.
  Não importa o que sou. O que importa é que ME sou. Importa-me a cor do céu quando o sol se põe, as silhuetas recortadas e as bebidas, amadas por aqueles que nunca saem dos cafés.
  De repente, o insólito aconteceu. Alguém igual a mim entrou e se sentou à minha frente. Pediu qualquer coisa e o café, que explodia de cor, mergulhou na escuridão.
  Onde estou?


(Nota: Texto criado em aula, a partir da pintura de Van Gogh que aparece após o título deste texto).



Comentários

Mensagens populares deste blogue

Monet, luzes e ação

Espírito de Verão

Ode à Noite