Estudar, Chorar ou Desesperar? 


  '' Vida de estudante é melhor vida que vais ter. '' '' Estudar? Imagina quando fores trabalhar!!" "Ai que saudades que eu tenho de estudar''. Frases tão comuns estas. Todos os adultos adoram esfregar isso na cara dos adolescentes e crianças, mostrando-lhes que ser estudante é tão simples como dormir, faz-se quase com uma perna atrás das costas! No entanto, para mim, e para a maioria dos estudantes, as coisas não são assim tão lineares ... 
  É verdade que estudar acaba por ser mais interessante que passar a vida inteira num escritório a fazer cálculos, ou passar a vida a dar aulas a alunos insubordinados ou a fazer as mesmas atividades numa fábrica, mas também não é como somar 2+2 ! Em primeiro lugar, os alunos não se sentem, na maior parte das vezes, bem nas escolas. Ninguém se apercebe disto e, no entanto, acontece (e demais). Quantos de nós, alunos, é que não acordamos e pensamos: ''Lá vou eu outra vez para aquele jardim zoológico onde as pessoas me vão dizer que tenho umas calças feias ou vou ver aquela moça que me causa mais dores de alma que os sermões da minha mãe?''. Todos. Vamos para lá com vontade de sair e, logo por aí, as coisas não começam muito bem. Em segundo lugar, temos de ter aulas que, muitas vezes, são aborrecidas e, por vezes, temos até disciplinas que não nos dão prazer nenhum. Eu estimo muito os professores, aliás, até gostaria de lecionar um dia!, mas, às vezes, estar nas aulas é pior que ir ouvir missa em latim! É verdade que há uma pressão enorme para os profs cumprirem programas e darem aquelas porcarias todas, senão caem-lhes em cima, o que é completamente errado. Mas, para nós, alunos, também não é fácil estar com o cu ali sentado a ouvir as pessoas falar e falar sem darem uma outra entoação, sem pedirem às pessoas que intervenham, sem tentar passar a mensagem de forma bonita. Não há tempo para isso, concordo, mas acreditem que também não há paciência para aturar sempre o mesmo. E têm também razão as pessoas que dizem que os alunos se portam mal e não ajudam os professores, mas, às vezes, é uma forma de chamar à atenção ... 
  Agora, vou abordar um outro aspeto importante: matérias, programas, métodos de estudo e afins. Bem, é certo e sabido que todos nós temos um calcanhar de Aquiles, ou vários, E PODEMOS TÊ-LOS! Uns odeiam Português, outros Educação Física, outros Matemática, outros Economia e por aí em diante. Contudo, temos de ver que, certas disciplinas, bem que precisavam de uns melhoramentos! Sou da área de Humanidades, naturalmente, não sei tudo o que se passa nos outros cursos, mas, por exemplo, a disciplina de Português bem que podia ser ligeiramente melhorada. E não é a única! Supostamente, a Port, temos de saber raciocinar e interpretar textos, saber ainda construí-los e fazer frases gramaticalmente corretas. Mas então por que raio passamos metade das aulas a interpretar obras de forma objetiva em vez de treinarmos mecanismos de interpretação? Vou clarificar: o grande problema é que os alunos não percebem o valor das palavras e não interligam as partes dos textos. Então, por que não incidir mais na contextualização do texto e na sua construção para o perceber? Por que razão aqui se usa este verbo? Que valor tem? Porque é que se usa o gerúndio? O movimento da personagem indica-nos alguma coisa? É claro que isto já se faz, sim, mas podia-se fazer melhor. Passamos muito tempo a tentar perceber a mensagem objetiva e, depois, esquecemo-nos que essa mensagem é suportada por inúmeros recursos a nível linguístico e estilístico que não podem ser só lembrados na véspera do teste. Nós podemos percebê-los naturalmente, mas se soubermos explicá-los, não se faz nada! Nada contra os professores de Português, eles fazem o que podem e há quem faça melhor e quem faça pior, mas o próprio programa leva os alunos a tentar perceber a mensagem sem a ligar à parte linguística e ao desenrolar da ação ... 
  Mas, para além disto, podemos ainda falar de outra coisa: o estudo. Dizem que estudar é fácil, que isso é muito simples, mas depois os resultados nem sempre mostram isso ... Cada um tem o seu método, sim, mas chegarem ao pé de um estudante e dizerem que estudar é super simples não é grande ideia. Até porque, independentemente do ciclo de ensino, tem de se estudar. Mais ou menos, é certo, mas tem de se estudar e estudar não é fácil. Cansa o cérebro das pessoas, faz-nos sentir tão desgastados que chegamos a meio do ano e já só queremos hibernar e tira-nos tempo para outras atividades. Neste momento, eu deveria estar a estudar a Revolução Americana, mas estou aqui, sabendo eu que me vou lixar ligeiramente por não o estar a fazer neste momento ...
  Ah e podemos ainda falar de outra coisa! Os estudantes não andam aqui só para estudar! Temos direito a namorar, passear, ouvir música nova, sair à noite, ir ao cinema, participar em teatros, criar grupos de debates, ir ver um concerto no Meo Arena e muito mais. Por vezes, penso que os pais, os professores e ATÉ NÓS ALUNOS nos esquecemos que há coisas muito mais importantes que o trabalho e a escola. É certo que devemos fazer o nosso melhor na escola, mas não se pode pensar que nos devemos apenas concentrar em ter 90% nos testes porque isso não nos leva a lado nenhum. Talvez leve a um esgotamento, mas não acho que isso seja muito benéfico! 

PS: Com este texto, não pretendo criticar nenhum professor, ou membros escolares em particular e muito menos dizer que os alunos é que têm razão! É apenas a minha perspetiva acerca do mundo académico e aquilo que se passa lá e que me afeta a mim e a mais alguns alunos. Nada mais. Peço desculpa, assim, se fui rude, indiretamente, para com alguém e se a minha mensagem foi muito crítica ...

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Monet, luzes e ação

Short story

Petit poème en prose