Desconcerto do mundo

Quem perdeu foi quem ganhou.
Não sei se fui eu quem errou. 
Afinal, quem errou?
Quem perdeu ou quem ganhou? 

Afinal, quem sou eu?
Se tudo o mais ganhou?
Afinal, quem és tu?
Talvez não tão cru...

Chega o dia
E com ele a nostalgia
De ser quem não sou. 

Como assim, que dizeis vós?
Não vos falta a voz? 
Se tudo o que ela diz
Não é de nós...

Uma muralha,
Um dia, 
Um dia, 
talvez deixe de haver batalha.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Monet, luzes e ação

Short story

Petit poème en prose