Cidadãos de segunda classe




  Olá a todos! Não tenho escrito no blog porque, mais uma vez, não tenho tido inspiração para tal, mas regressei. Vai ser um post curto, breve, mas parte da minha experiência pessoal e não é dos assuntos mais fáceis para mim.
  O assunto que eu trago hoje é: Não sou um cidadão de segunda classe. Aliás, ninguém é, mas como estou a usar a minha experiência pessoal para escrever este texto usei e usarei a 1ª pessoa. 
  E reforço: Não sou um cidadão de segunda classe. Porque dizes isso, Nuno? Bom, eu digo isto porque, por vezes, embora eu nem costume pensar muito nisso, sou tratado como um cidadão de segunda classe. Porquê Nuno? Porque sou um rapaz diferente. Porque não sou como ''eles'' devem ser. Porque não me conformo em ser igual a todos os outros. Porque sou, ou tento ser, fiel a mim mesmo!

  No entanto, sinto, por vezes, que sou tratado como um cidadão de segunda classe. Reparo em olhares de soslaio porque não sou como ELES. Oiço as pessoas a falar baixinho porque não sou como ELES. Sinto que algumas pessoas se sentem constrangidas, mesmo não me conhecendo, porque não sou como ELES. Não, eu não sou nenhuma ameaça. Sim, eu tenho direito a ser como sou e a EXIGIR que me tratem com respeito e não fiquem feitos parvos a olhar para mim. 

  Estou farto desses ambientes pesados que os outros criam por eu ser quem sou. Estou farto, sinceramente farto, de sentir que as pessoas não me respeitam por eu ser quem sou, mesmo sem ter tratado mal as pessoas que mal me tratam. Sim, eu estou aqui a escrever isto e, se calhar, não mudo nada, mas decidi escrever. 
  Eu sinto isto muitas vezes e não falo disto a ninguém. A ninguém mesmo. Mas sinto, e sei que os outros veem que eu sinto isto, mesmo que não o demonstre. Por isso, decidi vir para aqui, para a internet, berrar e passar-me com isto, porque me irrita. Porque EU RECUSO-ME A SER UM CIDADÃO DE SEGUNDA CLASSE! Não, eu não ando a distribuir chapadas pelo facto de as pessoas serem ruins para mim, mas devia. Porque eu não gosto de tratar assim as pessoas e porque eu faço um esforço, eu tento não tratar ninguém como inferior. Nem sempre o faço, mas tento. Vejo muita gente que, comigo, nem sequer tenta. Que pensa que pode tratar-me mal, mesmo que seja só com olhares, ou meros comentários, ou com o silêncio.
  Guess what? Não podem. Porquê? PORQUE EU VALHO TANTO COMO QUALQUER OUTRA PESSOA. 


Bon soir! 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Short story

Petit poème en prose

2017