Outonalidades

  A (des)coloração
  

  O Outono já se instalou e, nos campos em redor, as belas cores da estação já fizeram a sua aparição. O amarelo, o cor de laranja, o castanho, o verde e o vermelho misturam-se numa harmonia perfeita que, na realidade, nada mais é senão o princípio do fim: em breve, cairão as folhas e o frio do Inverno matará a beleza poética do Outono.
  O Outono agrada-me, assim como os últimos meses do ano. É a estação da mudança e, ao mesmo tempo, do sossego. A chegada do Outono e os primeiros dias de frio são mágicos para mim, pois representam um período de reflexão e de uma certa paz para mim. Assim como as folhas das árvores, também as nossas almas começam a revestir-se de outras cores, cores essas que são fruto da experiência acumulada ao longo do ano. É a hora de colher os ensinamentos que nos trouxe este ano e de preparar o ano que se avizinha.


  Creio que já refleti sobre os ensinamentos que este ano trouxe; se calhar, até já refleti demais. Está na hora de certas folhas e de certas pontas soltas caírem. É a hora de sair da estagnação em que, em determinados momentos, o meio em que estou me faz tombar. Estará na hora de outros fazerem o mesmo, de dizerem “não” à infelicidade e “sim” ao mundo. Trata-se de um processo difícil; afinal, nem todos compreendem verdadeiramente a renovação, o reerguer da acumulação de ruínas que o tempo deixa dentro da nossa alma.
  Como cortar as pontas soltas que nos agarram a armadilhas? Honestamente, não é fácil. Ter a coragem de ir contra o que nos é conhecido custa tanto… e, no entanto, é a única forma, a única solução se queremos, enfim, reencontrar-nos e habitar-nos em nós mesmos.
  Agradará o Outono a toda a gente? Há quem não queira a reflexão nem a acalmia. Passam pelos pingos da chuva, logo, de que lhes serve a reflexão? O desassossego só chega a quem pensa; os outros vivem em beleza-mesmo, não sabendo o que a Beleza é.
  Às vezes, falta-me a coragem – até de escrever, meu Deus! Falta-me a coragem de bater o pé, mas passo o meu tempo a mudar-me, a renovar-me, a refletir e a cansar-me do que me envolve: única constante da minha vida. Não posso perder a coragem de me ser, sob pena de morrer entalado, sufocado, asfixiado com as palavras que não pus no papel ou com as batalhas que não travei: a Hora chegou, é preciso agarrá-la e ir. Ir. Ir como se o vento levasse uma folha outonal a um sítio desconhecido do mundo: um sítio onde, enfim, essa folha verá que há Outonos mais belos do que aquele que, até então, ela conhecia.

Escrito a 27 de outubro de 2018





Comentários

Mensagens populares deste blogue

Problemas de pessoas altas

Ficções